Que Crise?

Coisa interessante esta globalização…

Até as idéias são globalizadas. Tudo acontece rápido. Tudo se espalha muito rápido. Tudo começou quando firmou-se grande parte do maior mercado do mundo em um nicho específico do ramo imobiliário e aí alguém (na verdade muitos alguéns) já não conseguia mais pagar a famigerada hipoteca e este acúmulo impediu o giro do crédito e de uma vez só a casa caiu causando grande ruído e muita poeira.

A implosão do mercado trouxe consigo um efeito dominó que foi se espalhando pelo mundo todo gerando desespero também globalizado. Quebrou lá, uma hora chega aqui. Como em todos os casos bombásticos, este não seria diferente. Nem poderia. Afinal, globalizamos.

No momento seguinte a mídia trata de nos informar o que sabíamos e o que não imaginávamos. Por exemplo, não imaginávamos que uma hipoteca poderia gerar tudo isso um dia. Mas me lembro agora que em 2001, naquele caso das torres gêmeas, alguém, totalmente na direção contrária (porque a direção correta era perseguir os terroristas…),então… alguém avisou: um dia, se nada for feito, isso vai quebrar. Quebrou.

Tudo bem que quebrou, mas e agora? A gente trabalha pra reverter ou fica acompanhando as notícias pessimistas da TV? Manchetes, chamadas em alto e bom som, fotos coloridas estampadas no jornal e explicações detalhadas do acontecido. Tudo esmiuçado e explorado ao ponto de exaustão ou do sensacionalismo.

A questão da divulgação é que cada versão é um ponto de interrogação a mais em nossas cabeças em troca de um ponto a mais no Ibope…

Só pra gente não esquecer, a visão pessimista pode nos fazer esquecer que a fórmula para o sucesso e reversão de crises é o trabalho. Menos interrogações e menos pontos no Ibope vão nos fazer esquecer que um dia existiu crise…

Amém

Neo

Anúncios

8 pensamentos sobre “Que Crise?

  1. Com o trabalho temos grande chances de virar o jogo, é durante a crise que encontram-se novas idéias e alternativas, para sairmos do comodismo.

    A sociedade ainda está consumindo por conta do dinheiro extra que circula, pelas contas no final de ano, porém , esqueçem que em Janeiro , chega o IPTU, IPVA, tem ta,bém volta às aulas, e com elas, gastos adicionais de matrículas e livros.

    Portanto, vamos tabalhar para que possamos sair logo desta onda que vem consumindo determinados segmentos de mercado.

  2. é meu colega.. o mundo não é mais o mesmo desde a revolucao industrial e desde que pobre passou a poder ter poder aquisitivo de coisas que antes so rico tinha.. o mundo tá indo pro buraco mesmo, e a tendencia é todos nós irmos juntos e caladinho.

  3. Meio que estão fazendo um super alarde em cima desta crise. Creio que afetou o mundo inteiro sim, mas talvez não seja para tanto. ou talvez eu sou apenas mais um destes caras que não entendem porra nenhuma sobre economia a não ser o limite estourado do cartão de crédito.

    Mas daí que fiquei indignado com aquele bando de perua lá na Daslu gastando horrores e dizendo “CRISE? QUE CRISE?”

    ¬¬’

  4. é. Quem diria. Marx que deve estar adorando tudo isso aeuhaeu ! Véio loco mas esperto. Eu acho que de fato o negócio é o trabalho, mas tenho ficado cada vez mais louco com essa coisa que é o capitalismo neo-liberal. O absurdo da exploração. Agora a pouco tempo que eu me toquei de como funcionam os bancos. Tem um documentário no youtube inclusive, money as debt. Impressionante como nós, população ordeira e geralmente não questionadora, nos subtemos a certos absurdos e achamos normal. Achamos que o mundo tem que funcionar desta forma, neste sistema.

    Matheus

    http://www.oultimoromance.wordpress.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s